Bancos comunitários e relações de reciprocidade: um estudo de caso no Nordeste semiárido brasileiro

Maria Odete Alves, Marcel Bursztyn, Suely Salgueiro Chacon

Resumo


Este artigo analisa a experiência coletiva de “bancos comunitários” numa comunidade rural do município de Russas (Ceará, Brasil). O objetivo é entender as estruturas de reciprocidade nas relações sociais entre participantes. Trata-se de uma linha de crédito de um programa do BNB (Crediamigo) que fi nancia atividades não-agrícolas utilizando a metodologia de grupos solidários. A análise baseia-se na teoria da reciprocidade e adota uma abordagem qualitativa. Os entrevistados foram selecionados com o uso da amostragem não probabilística intencional. Conclui-se que a experiência de “bancos comunitários” reforça estruturas de reciprocidade simétrica, na medida em que as regras estabelecidas induzem participantes a assumirem responsabilidades conjuntas e a realizarem controle das ações, promovendo o fortalecimento dos laços sociais.

Palavras-chave


banco comunitário; atividades não-agrícolas; reciprocidade.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Flag Counter

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia